Machado de Assis

poesia A Carolina

A Carolina

Querida, ao pé do leito derradeiro Em que descansas dessa longa vida, Aqui venho e virei, pobre querida, Trazer-te o coração do companheiro. Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro Que, a despeito de toda a humana lida, Fez a nossa existência apetecida E num recanto pôs um mundo inteiro. Trago-te flores, — restos arrancados Da terra que …

A Carolina Leia mais »

poesia Prólogo do Intermezzo

Prólogo do Intermezzo

Um cavalheiro havia, taciturno, Que o rosto magro e macilento tinha. Vagava como quem de algum noturno Sonho levado, trépido caminha. Tão alheio, tão frio, tão soturno, Que a moça em flor e a lépida florinha, Quando passar tropegamente o viam, Às escondidas dele escarneciam. A miúdo buscava a mais sombria Parte da casa, por …

Prólogo do Intermezzo Leia mais »

poesia A Guiomar

A Guiomar

Ri, Guiomar, anda, ri. Quando ressoa Tua alegre risada cristalina, Ouço a alma da moça e da menina, Ambas na mesma lépida pessoa. E então reparo, como o tempo voa, Como a rosa nascente e pequenina Cresceu, e a graça fresca apura e afina… Ri, Guiomar, anda, ri, mimosa e boa. A bela cor, o …

A Guiomar Leia mais »

poesia Refus Machado de Assis

Refus

Non, je ne paye pas, car il est incomplet Cet ouvrage. On y voit, certes, la belle touche Que ton léger pinceau met à tout ce qu’il touche; Et, pour un beau sonnet, c’est un fort beau sonnet. Ce sont-là mes cheveux, c’est bient-là le reflet De mes yeux noirs. Je ris devant ma propre …

Refus Leia mais »

poesia Relíquia Íntima

Relíquia Íntima

Ilustríssimo, caro e velho amigo, Saberás que, por um motivo urgente, Na quinta-feira, nove do corrente, Preciso muito de falar contigo. E aproveitando o portador te digo, Que nessa ocasião terás presente, A esperada gravura de patente Em que o Dante regressa do Inimigo. Manda-me pois dizer pelo bombeiro Se às três e meia te …

Relíquia Íntima Leia mais »

poesia Versos

Versos

Pede estrelas ao céu, ao campo flores; Flores e estrelas ao gentil regaço Virão da terra ou cairão do espaço, Por te cobrir de aromas e esplendores. Versos… pede-os ao vate peregrino Que ao céu tomando inspirações das suas, A tua mocidade e as graças tuas Souber nas notas modular de um hino. Mas que …

Versos Leia mais »

poesia Hino Patriótico

Hino Patriótico

Brasileiros! haja um brado Nesta terra do Brasil: Antes a morte de honrado Do que a vida infame e vil! O leopardo aventureiro, Garra curva, olhar feroz, Busca o solo brasileiro, Ruge e investe contra nós. Brasileiros! haja um brado Nesta terra do Brasil:Antes a morte de honrado Do que a vida infame e vil! …

Hino Patriótico Leia mais »

poesia Fascinação

Fascinação

A vez primeira que te ouvi dos lábios Uma singela e doce confissão, E que travadas nossas mãos, eu pude Ouvir bater teu casto coração, Menos senti do que senti na hora Em que, humilde — curvado ao teu poder, Minha ventura e minha desventura Pude, senhora, nos teus olhos ler. Então, como por vínculo …

Fascinação Leia mais »

poesia Coração Perdido

Coração Perdido

Buscas debalde o meigo passarinho Que te fugiu; Como quer que isso foi, o coitadinho No brando ninho Já não dormiu. O coitado abafava na gaiola, Faltava-lhe o ar; Como foge um menino de uma escola, O mariola Deitou-se a andar. Demais, o pobrezito nem sustento Podia ter; Nesse triste e cruel recolhimento O simples …

Coração Perdido Leia mais »

William Shakespeare: Soneto 9 – “O mundo te lamentará” William Shakespeare: Soneto 14 – “adivinhar o azar ou a sorte” William Shakespeare: Soneto 13 – “Contra o vento impiedoso” William Shakespeare: Soneto 12 – “a noite medonha vem naufragar” William Shakespeare: Soneto 11 – “deixares a juventude” William Shakespeare: Soneto 10 – “Envergonha-te” William Shakespeare: Soneto – “Por que ama o que não recebe?” William Shakespeare: a morte do sol e do homem William Shakespeare: Adoça teus sumos; orna um lugar William Shakespeare: injustiça que justamente se excede