insurreição pernambucana

Insurreição Pernambucana

Chamada também de Guerra da Luz Divina, a Insurreição Pernambucana se deu pela invasão/ocupação holandesa do Brasil. A invasão culminou na expulsão dos holandeses (Região do Nordeste do Brasil) que tornara a coroa portuguesa.

Como aconteceu a Insurreição Pernambucana?

Os portugueses não estavam satisfeitos com as cobranças intensas de impostos e empréstimos feitos pelos senhores de engenhos de origem portuguesa aos banqueiros holandeses e a Companhia das Índias Ocidentais.

Outra insatisfação também que gerava uma rivalidade, era a religião. Muitos dos holandeses eram judeus e protestantes, já os portugueses eram católicos.

Então, 18 líderes insurretos pernambucanos firmaram o compromisso de lutar contra os holandeses em 15 de maio do ano de 1645 quando se reuniram no Engenho de São João.

Banner Top 50 970x250

O Movimento foi composto pelos líderes: João Fernandes Vieira, Henrique Dias e Filipe, André Vidal de Negreiros; e assim lutaram para marcar a história dos Holandeses como expulsos do Brasil.

insurreição pernambucana

Principais destaques desse movimento

  1. João Fernandes Vieira: é considerado pelo historiador Charles Ralph Boxer, o principal “nome” da reconquista de Pernambuco. João Fernandes Vieira, Senhor de Engenho português, era um mulato que veio para o Brasil com apenas 10 anos de idade. O Historiador do Brasil, Oliveira Lima diz: apesar de João Fernando mesmo sendo de cor, foi governo de Angola e Pernambuco. Conforme as palavras do historiador brasileiro Oliveira Lima, “João Fernandes Vieira, apesar de ser de cor, governou Angola e Pernambuco”. Como Mestre-de-Campo, foi o comandante do poderoso terço do Exército Patriota nas duas batalhas dos Guararapes. Foi aclamado o Chefe Supremo da Revolução e Governador da Guerra da Liberdade e da Restauração Pernambucana.
  2. André Vidal de Negreiros: esse era da Paraíba. Arranjou muitos recursos e pessoas do sertão do nordeste e os influenciou a lutar ao lado dos luso-brasileiros. Foi um dos maiores soldados da época, lutou bravamente contra os holandeses nos combates. André Vidal de Negreiros acabou sendo nomeado como Mestre-de-Campo, comandando um dos terços do Exército Patriota nas batalhas dos Guararapes. Como comandante do sítio de Recife o resultado foi a capitulação holandesa em 1654. Francisco Adolfo, historiador, afirma que ele foi o grande artífice no movimento que expulsou os Holandeses.
  3. Filipe Camarão (Potiguaçu): era um índio que fazia parte da tribo potiguara, comandando a sua tribo, planejou com seus guerreiros várias ações importantes para que os invasores não pudessem avançar. Foi grande destaque nas batalhas: São Lourenço, Porto Calvo e Mata Redonda em 1636, 1637 e 1638, respectivamente. Henrique Dias: filho de escravos, era um brasileiro que ficou conhecido como “Governador da Gente preta”. Ele fez o recrutamento de ex-escravos e no papel de mestre-de-campo foi o comandante do Terço de Homens Pretos e Mulatos do Exército Patriota nas duas das batalhas dos Guararapes. Suas frotas tinham o nome de Milícias Negras e/ou Henriques.
  4. Antonio Dias Cardoso: sem dúvidas, Antonio dias Cardoso foi um dos maiores líderes da Insurreição Pernambucana. O português foi comandante de um pequeno efetivo que foram vencedores da batalha dos Montes das Tabocas lutando contra uma tropa bem maior, tal tropa tinha como líder Maurício de Nassau. Com um número bem menor venceu também a tropa neerlandesa do Tenente-Coronel Hendrick Van Hans em Casa Forte.

Assista essa aula abaixo sobre a Insurreição Pernambucana:

Leia também: As duas viagens de Hans Staden ao Brasil